Para quem está longe, mas não esquece a Região
12 de Dezembro de 2008

Penamacor é, desde há muito, conhecido pelas tradições natalícias que tem. O Madeiro deste Concelho raiano, que se localiza no norte do Distrito de Castelo Branco, é, segundo se diz, o signo mais emblemático desta época de tradições. Tudo porque, segundo se diz também, é o maior de todo o País.

As regiões da Beira têm, por tradição, o hábito de fazer o Madeiro. Colocar frente ao átrio da Igreja Matriz enormes troncos de madeira que ardem durante toda a noite do Natal, reunindo-se em torno dele, os populares da aldeia ou vila.

Uns quinze ou vinte dias antes do Natal, os rapazes novos que vão nesse ano à inspecção militar, movidos de um sentimento tradicionalista, juntam-se e vão em tractores, pelos campos arrancar o Madeiro.

Munidos de grossos e volumosos troncos velhos dos sobreiros mais secos, os rapazes voltam à vila, com os tractores carregados desta matéria que aquecerá a população.

Antigamente, porém, os troncos eram transportados em carros de bois.

Chegam a ser cinco, seis ou mais tractores bem carregados.

O âmbiente é de festa entre os populares, pois hoje em dia, os rapazes novos são em tão menor número que a população acorre a ajudar.

Em cortejo, os vivas ao madeiro chegam à vila.

Á janela apressam-se populares para ver o madeiro chegar e, uma vez no adro, toda a população ali acorre, para admirar a grandiosidade do madeiro.

Depois, durante  10 dias o madeiro fica exposto na praça, para que todos o vejam.

Chegado o dia 24, é altura de se deitar fogo ao madeiro.  O madeiro é regado com gasolina e começa a arder.

Toda a população ali se vai continuando a reunir aos poucos e, com o alongar da madrugada, a população começa a recolher a casa.

O madeiro continua a arder durante a noite de Natal e durante o dia 25.

Na semana passada António Cabanas, um habitante e natural daquele Concelho, publicou um livro com toda a história do Madeiro de Penamacor.

A publicação tem por nome Eh! Madeiro, e mostra a óptica do autor quanto a esta tradição. "As tradições não têm de ser estáticas, como algumas pessoas pensam. As tradições que se adaptam, preservam-se, outras que são estáticas, vão-se perdendo", observa António Cabanas.

(NOTA: Para não colocar uma foto de arquivo, colocarei após este fim-de-semana, uma imagem do madeiro de Penamacor)

 

publicado por incastelobranco às 14:40
Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Muito Bom post! Sou um Verdadeiro fã de antiguidad...
Bela iniciativa....
É um escândalo!O pessoal do instituto de emprego e...
hola keria saber si el forum se abre tambien los d...
SUGESTÕES PARA AS VOSSAS CONCEITUADAS FESTAS 2011:...
MUITO BEM SR. DR. HUGO.ESTÁ DE PARABENS. A SOCIEDA...
E o cartaz de Monforte da Beira nas festas de Agos...
Fígado On Tour 2010 vai estar em Castelo Branco no...
Parabéns por essa excelente iniciativa! Venho deix...
Muito boa noite. O meu e-mail é ines_m_monica@hotm...
blogs SAPO